quarta-feira, 4 de março de 2015

Complicações de Biopsia Prostática


COMPLICAÇÕES DE BIOPSIA PROSTÁTICA
TRANSRETAL GUIADA POR ULTRASSONOGRAFIA: ESTUDO RETROSPECTIVO

Excertos importantes deste estudo feito por especialistas na área de Cirurgia Geral.


Título: Complicações de biopsia prostática transretal guiada por ultrassonografia: estudo retrospectivo. [TCC]. São Paulo: Hospital do Servidor Público Municipal; 2011

Introdução: O uso da biópsia de próstata aumentou significativamente com a utilização do teste de PSA para câncer de próstata (CaP). A biópsia transretal da próstata é geralmente considerada um procedimento seguro, mas existem complicações associadas com a técnica. É o Câncer o mais comum do homem brasileiro.

Objetivos: traçar o perfil institucional dos pacientes submetidos à biopsia de próstata. Analisar as complicações do procedimento de biopsia.

Resultados: 
Das complicações analisadas os eventos hemorrágicos foram os mais freqüentes, 95,7% do total de complicações. (...)
(...) O uso da biópsia de próstata aumentou significativamente com a utilização do teste de PSA para câncer de próstata. A biópsia transretal da próstata é geralmente considerada um procedimento seguro, mas existem complicações associadas com a técnica, incluindo a infecção, retenção urinária aguda e hemorragia retal. (...)
(...) Em nosso estudo a taxa global de complicações pós-biópsia foi de 52,4%. (...)
(...) Nossos dados mostraram que o incidência de hematúria (globos vermelhos na urina) foi 51,4%.(...)
(...) Hemospermia (sangue no esperma) foi a segunda maior causa de complicações hemorrágicas em nosso estudo, correspondendo a 25,7% dos pacientes submetidos a biópsia. (...)
(...)Sangramento retal resultou em 18,6% das complicações, outros estudos têm relatado uma incidência que varia de 1,3% para 37,1% dos pacientes biopsiados (20, 28, 29). (...)
(...)Dados recentes coletados após biópsia da próstata sugerem que até 36,3% dos homens submetidos ao procedimento podem desenvolver hematospermia (sangue no esperma) pós-procedimento (29). (...)

Referências:
20. Naughton CK, Ornstein DK, Smith DS, Catalona WJ. Pain and morbidity of transrectal ultrasound guided prostate biopsy: a prospective randomized trial of 6 versus 12 cores. J Urol. 2000 Jan;163(1):168-71.
28. Djavan B, Waldert M, Zlotta A, Dobronski P, Seitz C, Remzi M, et al. Safety and morbidity of first and repeat transrectal ultrasound guided prostate needle biopsies: results of a prospective European prostate cancer detection study. J Urol. 2001 Sep;166(3):856-60.
29. Berger AP, Gozzi C, Steiner H, Frauscher F, Varkarakis J, Rogatsch H, et al. Complication rate of transrectal ultrasound guided prostate biopsy: a comparison among 3 protocols with 6, 10 and 15 cores. J Urol. 2004 Apr;171(4):1478-80; discussion 80-1.

Minha opinião:
- As biopsias só devem ser receitadas, quando há realmente necessidade. Ou seja, nunca com apenas uma única análise ao PSA-Total, não devendo ser nunca ignorado os valores do PSA-LIVRE, para o diagnóstico da possível biopsia.
Portanto, ATENÇÃO! Os valores do PSA variam. Faça sempre mais que 2 análises para garantir um diagnóstico mais conclusivo.
Homens, tomem nota: Nunca autorizem uma biopsia baseada em valores de apenas 1 análise ao PSA.