segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

PROGRAMA EM OITO ETAPAS PARA AJUDAR AO BEM-ESTAR DA (sua) PRÓSTATA

Etapa 1.
Evite irritantes conhecidos. Álcool, cafeína, cigarros, e comida com gordura (saturada de origem animal) são tão maus para a sua próstata como para qualquer parte do seu corpo, por isso mantenha-se longe deles. (Os whiskeys muito saborosos, como o escocês, contêm óleos aromáticos que causam especial irritação da próstata). E uma vez que os fluidos eliminam as substâncias nocivas do corpo, assegure-se de que bebe muitos - especialmente água. A cerveja também não é uma bebida boa para a saúde da próstata.


Etapa 2.

Mantenha-se sexualmente activo. A actividade sexual é natural, saudável e boa para a próstata. Sabemos que a incidência de problemas da próstata é mais baixa em homens sexualmente activos. Também sabemos que a actividade sexual mantém um fluxo sanguíneo saudável para os órgãos reprodutores - o que é importante, porque os homens com problemas vasculares tornam-se muitas vezes impotentes.

Abster-se de sexo pode desequilibrar o sistema todo e causar irritação na próstata, mas demasiado sexo também o pode fazer. Use o seu bom senso. Se passar a noite toda a fazer amor - especialmente se atrasar a ejaculação uma e outra vez - vai irritar a sua próstata. E se não utilizar um preservativo para se proteger, está a pedir uma infecção.


E a atitude "festa ou fome" em relação ao sexo também pode ser perigosa. O Dr. Monroe Greenberger, uma das maiores autoridades sobre os problemas da próstata, conta a história de um marinheiro que ficava longe da mulher durante longos períodos de tempo enquanto andava no mar. Quando voltava a casa, ele e a mulher tentavam recuperar o tempo perdido o melhor possível. Depois voltava ao seu dever, deixando-a outra vez. Escusado será dizer, acabou por ter que ir visitar o Dr. Greenberger por causa duma próstata muito irritada.



Etapa 3.

Deixe o sofá e mova-se. Mesmo só um passeio todos os dias ajuda. Os homens fisicamente activos têm tendência a ter menos problemas da próstata para começar e os que já têm problemas dão-se conta de que o exercício lhes alivia os sintomas - provavelmente porque o exercício aumenta o fluxo de oxigénio e de sangue a todos os tecidos, incluindo os da próstata.

O exercício é uma das melhores coisas que pode fazer pelo seu completo bem-estar. Tonifica o corpo, dá-lhe mais energia e até alimenta a mente. As pessoas que fazem exercício regularmente são mais optimistas e capazes de resolver os problemas de saúde com uma atitude positiva. E uma atitude positiva, por si só, já provou ter um efeito dramático nas curas.




Etapa 4.

Preste atenção à sua alimentação. Em geral, recomenda-se uma dieta de Ayurveda ou macrobiótica - rica em vegetais e com poucas proteínas animais ou outras gorduras saturadas - para prevenir e tratar o cancro da próstata. Todas as práticas de Ayurveda aumentam o nível de células T e aumentam a actividade do sistema imunológico que ajudam o seu corpo a lutar contra doenças. E a quantidade de gordura que come, especialmente gorduras saturadas, afectam o nível de hormonas. Demasiadas, podem causar problemas da próstata.

Se seguir uma dieta com poucas gorduras, ajudará a manter todo o seu corpo em óptimas condições físicas. Além do mais, se estiver gordo, ajuda-o a perder esses quilos extra e a evitar os diversos problemas (incluindo os problemas da próstata) que a obesidade pode causar.


Aqui estão algumas recomendações específicas que podem ajudá-lo, também:

Coma mais vegetais e reduza as carnes vermelhas. Melhor ainda, como muito mais peixe, em especial os gordos, como o salmão e a sardinha. 
Comer mais  vegetais porque contêm toda a espécie de vitaminas, minerais, antioxidantes (que reforçam o sistema imunitário e o sistema circulatório) e fitoquímicos (que aumentam o número de células T no seu corpo).Os frutos vermelhos, como os tomates, morangos, melancia, cerejas, mirtilos, etc., também são muito importantes, porque contêm Licopeno e outros combatentes dos radicais livres, fundamentais à protecção da sua próstata ( problemas cancerígenos)

- Evite o café, o álcool e o leite UHT.

- Coma alimentos ricos em vitamina E, zinco e magnésio. Tem vitamina E em óleos vegetais, alimentos integrais, gérmen de trigo, nozes e vegetais com folhas verdes. As sementes de abóbora são uma boa fonte de zinco (um ingrediente crucial para manter uma próstata saudável) e de magnésio (que os cientistas franceses provaram ser eficaz para o tratamento de problemas da próstata).


- Assegure-se de que ingere bastantes ácidos gordos na sua alimentação. Os ácidos gordos parecem influenciar a produção de prostaglandinas. Por isso, uma vez que a deficiência de prostaglandinas pode ser uma causa de HBP, junte óleos de peixes como de Bacalhau, salmão, sardinha ( procure pelo suplemento nutricional " NORMALINNE", ele tem a composição sinergética ideal) à sua alimentação e suplemente-a diariamente com estes óleos graxos. Ou pode tomar uma a duas colheres de sobremesa de óleo de linhaça (comprimido a frio). 
As bagas frescas (tal como os óleos peixe), são outra boa fonte de ácidos gordos (e fitoquímicos).

- Evite margarina, óleos vegetais hidrogenados e comida frita. Interferem com a produção de prostaglandinas. Muito maus para a saúde da sua próstata.


-  Coma mel. No Camboja, os nativos comem pólen e favos de mel para manter a próstata saudável. Este preventivo natural tem outro benefício - ajuda a tratar a impotência. Estudos científicos modernos demonstraram que o pólen ajuda a próstata a funcionar em condições. Está cheio de vitaminas e minerais importantes para a função glandular e a produção de testosterona, a hormona masculina mais importante.




Etapa 5.

Tome suplementos de vitaminas, minerais e antioxidantes. Não pode depender de frutos e vegetais para os nutrientes de que necessita porque tantos deles crescem em solos com falta de minerais. Por isso, poderia suplementar a sua alimentação diariamente com vitamina A (até 10.000 U.I.s), vitamina E (até 400 a 800 U.I.s), vitamina C (500 a 1000 miligramas) e selénio (200 microgramas).

O mais importante para a saúde da próstata é o zinco (60 mgs por dia). Muitos médicos que utilizam as terapias naturais usam o zinco como a base dos programas para os problemas da próstata. Isto, porque há evidência de que os homens que sofrem de problemas da próstata têm baixos níveis de zinco nos fluidos prostáticos. Suplementando a sua dieta com zinco pode aumentar os níveis e reduzir a hipertrofia da próstata. De facto, num estudo, 14 de 19 pacientes da próstata que foram tratados com zinco exibiram uma diminuição do tamanho da próstata em só dois meses.





Etapa 6.
Adicione SSP3 Forte  ao seu regime diário. 

Tenha cuidado quando comprar suplementos porque o número de miligramas de saw palmetto na etiqueta ou na cápsula pode enganar. Por exemplo, 300 mgs dum extracto a 4:1 é muito menos potente do que 160 mgs de um extracto a 20:1. Para obter os melhores resultados o produto deve conter, por cápsula, 135 mgs de um extracto a 20:1, que vem especificado som uma alta percentagem por cento de ácidos gordos. 

Saiba que o SSP3Forte é produzido em laboratório europeu certificado com o ISO 9001. Outras formas, menos eficazes, de Saw palmetto incluem bagas moídas que têm uma potência de 1:1, tinturas que têm uma potência de 1:1 a 4:1 em álcool, e um pó de potência 4:1 ou 10:1 em comprimidos ou cápsulas.

O SSP3-Forte é uma formulaçõa completa e sinergética para ajudar a combater a HPB ( ou HBP). Todos estes ingredientes, no SSP3 Forte, actuam ou ajudam a actuar Positivamente sobre a Próstata. Portanto, por analogia, SSP3 Forte contém uma boa composição para promover o funcionamento saudável da sua Próstata. 

Examine você mesmo, alguns dos componentes básicos, que nenhuma outra composição tem:

1. Ingrediente I, é rico em Beta-Sitosterol, que impede a conversão da Testosterona em Dehidrotestosterona (DHT), diminuindo assim as causas do aumento da próstata.


2. Ingrediente II , reforça eficácia do Ingrediente I, porque também contém Beta-Sitosterol. Mais, estudos recentes demonstraram tem um efeito anti-estrogénico, o que é benéfico, pois sabe-se que o estrogénio contribui para os problemas da Próstata ao inibir a eliminação do DHT.


3. Ingrediente III, outra planta medicinal muito utilizada pelos antigos no tratamento dos males da próstata, rins e bexiga. Ajuda na melhoria do jacto urinário.


4. Ingrediente IV, é uma das vitaminas mais importantes para a saúde e bem-estar do aparelho reprodutor masculino, do qual a próstata faz parte.


5. Ingrediente V, um Mineral que é elemento essencial a muitas funções do organismo humano, sendo que uma das mais importantes é a de promover o bom funcionamento da próstata e do sistema reprodutor masculino. Ajuda a reduzir o tamanho porque está relacionado com a diminuição da produção da DHT. Tem ainda um efeito anti-bacteriano, ajudando a evitar as infecções urinárias.


6. Ingrediente VI, que faz a grande diferença nesta formula e que podemos revelar; é o Licopeno, um potente antioxidante que ajuda à prevenção do cancro (cancer) da próstata.




Outros tratamentos à base de ervas a experimentar:

A ambrosia - foi demonstrado que de facto reduz o tamanho dos tumores  e os efeitos secundários das radiações.

O chá de salsa pode ser eficaz para qualquer problema do aparelho urinário, incluindo HBP. A salsa é uma boa fonte de vitamina A e também é diurética, o que promove o fluxo de urina.




Etapa 7.

Tente a aromaterapia. A aromaterapia é o uso terapêutico de óleos essenciais. Os óleos podem ser tomados por via oral ou colocados no corpo depois dum banho de chuveiro ou imersão. Por vezes receito um óleo específico para ser aplicado à hora de deitar para que possa ter efeito enquanto o meu paciente dorme.

Se está interessado em usar a aromaterapia para tratar ou evitar os problemas da próstata, consulte um praticante de Ayurveda ou médico homeopático.




Etapa 8.

Descontraia-se. Alguns estudos têm demonstrado que as pessoas que sofrem de doenças de coração, apoplexias, ou cancro (cancer), assim como outras doenças, beneficiam imenso apenas de uma atitude mental positiva e da vontade de melhorar. Todas os métodos médicos Orientais realçam a importância duma mente em paz para um bem-estar total. E com boas razões. O seu corpo reage fisicamente à tensão emocional no seu cérebro - mesmo que não se dê conta disso. A tensão dá origem a hipertensão, o assim chamado "assassino silencioso" que está na origem dos ataques de coração, apoplexias, e até deficiência renal. A tensão também é um factor que contribui para as úlceras e tem sido indicado como uma possível causa da fraqueza do sistema imunitário. O simples facto é que aprender a controlar a tensão pode mantê-lo saudável.

Aconselhamos todos a praticar uma forma de terapia de descontracção - uma que dê bem-estar à mente e ao corpo e ao mesmo tempo lhes dê energia. Assim se evita que o corpo literalmente se gaste e fique susceptível a doenças e enfermidades.


O melhor medicamento que conheço para a mente/corpo é a meditação transcendental (MT) - uma técnica que lhe permite alcançar um estado de descontracção estável que é mais repousante que o sono.


A acupunctura e acupressão também são excelentes. Estas técnicas dão energia e equilibram as funções da mente e do corpo que por isso funcionam mais eficazmente e em melhor harmonia uma com o outro. Ambos têm que ver com os pontos de pressão que influenciam dores, e "desequilíbrios" no seu sistema - alguns dos quais afectam especificamente a próstata. Sabe-se que a acupunctura e acupressão têm aliviado os sintomas de HBP, cancro da próstata e prostatite.


Tai Chi é um extraordinário exercício para o tratamento e prevenção de doenças. Esta arte antiga chinesa tonifica o corpo, canaliza a mente e dá energia ao sistema.


Todas estas técnicas de descontracção necessitam instrução pessoal - o que existe em quase todas as cidades. Veja na sua lista telefónica ou peça recomendações a amigos.


Este programa tem ajudado centenas de pessoas nos Estados Unidos da América com problemas de próstata - e até cancro - e também pode funcionar para si. Mas nunca foi destinado a substituir cuidados médicos normais. Se já tiver sintomas, tem que visitar um médico que pode controlar o seu progresso e trabalhar consigo para projectar um plano de tratamentos que se adapte a si e às suas necessidades individuais.


Mas como já mencionamos antes, depende de si. Se sofre de sintomas na próstata, pode começar hoje com o Programa em Oito Etapas. E se não tem sintomas na próstata, o nosso conselho é o mesmo: comece hoje com Programa em Oito Etapas. Não permita que se torne uma das estatísticas de que falamos.










Legenda:  Estudos nos Estados Unidos da América



Referências: Prevention, Junho de 1992 e Junho de 1994; Journal of the American Medical Association, 6 de Julho de 1994; Geriatrics, Julho de 1994; Today's Living, Fevereiro de 1990; The New England Journal of Medicine, 13 de Outubro de 1994; U.S. News & World Report, 22 de Novembro de 1993; NCAHF Newsletter, Maio-Junho de 1993; Options, Avery Publishing, Garden City Park, New York, 1993; The Saw Palmetto Story, Vital Communications, 1990; Alternative Medicine, Future Medicine Publishing, Puyallup, Washington, 1993; Perfect Health, Harmony Books, New York, 1991; The Prostate Cancer Report, by PAACT, Grand Rapids, Michingan.


Mais informações do SSP3-Forte:
www.ssp3forte.com





ATENÇÂO:

Este blog não se destina a prescrever, a diagnosticar ou a curar qualquer doença e sim a informar. Em caso de dúvidas, consulte o seu médico.

Este blog foi feito a partir de investigação e estudo de tratamentos convencionais e tratamentos alternativos (frequentemente chamados de naturais) com o fim de informar o leitor de modo a que possa ficar ciente dos problemas da próstata e como poderá vir a tratá-los.







Todos os directos reservados

Copyright

P. Reynolds Brand

E-Mail: leptix@gmail.com

5 - TRATAMENTOS ALTERNATIVOS OU COMPLEMENTARES (frequentemente conhecidos por Tratamentos Naturais)

Se sofre de Hiperplasia Benigna da Próstata ( HBP), a medicina convencional ( aquela que normalmente consultamos) não lhe dá muita escolha. O tratamento normal é uma operação horrível que se chama "ressecção transuretral da próstata" (TURP). Deixe-me contar-lhe o que é, para que possa saber porque é que a deve evitar até ter tentado todas as opções oferecidas pela Medicina Complementar.


Instrumentos que cortam tecido são introduzidos pela uretra acima até chegar à próstata. Uma vez aí, as zonas hipertrofiadas da próstata são cortadas. A ideia de cortar um órgão, fatia a fatia sanguinolenta, sempre me horrorizou. Os pacientes que passaram por isto sabem claramente que o período pós-operatório também não é nenhum piquenique. Há uma tendência para sangrar e perder fluidos e as infecções pós-operatórias aparecem quase de certeza . Pode ficar surpreendido ao saber que, segundo vários estudos, até a expectativa de vida diminui - em grande parte devido a um aumento de mortalidade cardíaca. 
O desempenho sexual também fica comprometido  chegando mesmo à impotência total. A incontinência é, ainda, outra das consequências frequentes; ter de ficar a usar fralda para o resto da vida, já pensou?


Alguns efeitos secundários a longo prazo, colectados estatisticamente, incluem incontinência urinária em 5 por cento dos pacientes e impotência permanente em 10 por cento. Mas a maioria dos pacientes pós-TURP sofrem de "ejaculação inversa" (O sémen vai para dentro e não para fora). O que certamente afecta a fertilidade masculina. E 70 por cento dos que sofrem de ejaculação inversa também sofrem de diminuição ou mudança na intensidade do orgasmo. Pense por um momento sobre o resto da sua vida se não estiver no grupo sem sintomas! Mas estas preocupações não têm que lhe dizer respeito. Porque, utilizando o Método Alternativo Natural, uma próstata hipertrofiada pode quase sempre ser controlada sem cirurgia.



O Método Alternativo Natural (MAN)

Uma parte básica do programa total para uma boa saúde é a dieta - uma dieta especificamente adaptada ao metabolismo de cada paciente. Para um paciente com HBP, muitas vezes se recomenda uma dieta com baixo conteúdo de hidratos de carbono. O raciocínio é o seguinte:

A doença da próstata é uma condição que progride lentamente e que responde bastante bem ao MAN. Outras doenças, como doenças cardíacas, diabetes e hipertensão, podem ser uma ameaça maior do que problemas da próstata. Dietas com muitas gorduras foram implicadas, de um ponto de vista epidemiológico, como uma causa possível de prostatismo, mas não está provado. Uma das considerações mais óbvias é que todos os grupos com alta incidência de problemas da próstata também são grandes consumidores de açúcar, xarope de milho e outros hidratos de carbono refinados. Estes alimentos utilizam reservas de zinco e ácidos gordos essenciais e a falta dessas substâncias pode ser a causa de mudanças malignas.

Alguns alimentos que vale a pena incorporar na nossa dieta incluem os ricos em ginensteína (rebentos de soja são o melhor exemplo) e em óleo de peixe. A combinação da dieta certa com os suplementos alimentares no MAN podem ter como resultado melhoras tão radicais em homens nas fases iniciais de HBP que outros tratamentos se tornam desnecessários e podem continuar a ser desnecessários durante muitos anos. Se tiver mais de 50 anos - mesmo que não tenha sintomas - deve pensar no seguinte:

Antioxidantes. Não estamos só a falar dos Três Grandes dos quais ouve falar tanto - beta-caroteno, Vitamina C e Vitamina E. Também são importantes selénio, cisteína (ou acetilcisteína), glutationa, Coenzima Q10, ácido lipóico, e os bioflavonóides.

Ácidos gordos essenciais (AGE). Os ácidos gordos essenciais são de importância vital porque ajudam a ultrapassar a deficiência de prostaglandinas específicas, que pode ser um factor que contribui para a HBP. As melhores fontes alimentares de AGE são óleo de linhaça, óleo de girassol e óleo de soja. Também se pode tomar AGEs em forma de cápsula.

Zinco. O zinco existe em grandes concentrações na próstata. Se a próstata estiver hipertrofiada, provavelmente tem baixos níveis deste mineral essencial. Na minha experiência, suplementos de zinco muitas vezes diminuem a próstata: vários estudos na literatura médica indicaram resultados semelhantes. Num estudo, por exemplo, de 19 pacientes com HBP tratados com suplementos de zinco, em 14 tinha havido uma diminuição mensurável apenas em dois meses.

Manganésio. Uma vez que protege o zinco no corpo, este mineral também deve ser adicionado ao seu regimen para manter um bom equilíbrio.

Amino ácidos. Também deveria pensar em tomar uma cápsula que contenha uma combinação de três amino ácidos: ácido L-glutâmico, L-alanina, e L-glicina. Os estudos médicos indicam que aproximadamente 75 por cento dos homens vêem a frequência urinária diminuir com a ajuda destes amino ácidos.

Bagos de Serenoa repens. Muitas pessoas apresentaram uma melhoria dramática de sintomas depois de tomar esta substância - uma diminuição no tamanho da próstata, melhor fluxo urinário, menor necessidade de urinar durante a noite e menos desconforto.

Aparte destas observações, estudos independentes mostraram que o extracto estandardizado de bagas de Serenoa repens não só bloqueia a acção da 5-alfa redutase (a enzima que converte a testosterona em DHT) mas também bloqueia os receptores que permitem às células da próstata absorver DHT.

Compare esta substância com o Finasteride um medicamento caro e muito menos eficaz que foi aprovado pela FDA. O Finasteride inibe a produção de DHT mas não faz nada para evitar que o DHT se ligue às células da próstata. Além do mais, foi demonstrado que só funciona em 37 por cento dos pacientes que o tomam durante um ano inteiro, comparado com 60 por cento a 90 por cento de grau de sucesso em pacientes que toma de Serenoa reens durante só seis semanas. E, ao contrário da Serenoa repens, o Finasteride pode causar efeitos secundários muito desagradáveis, incluindo falta de desejo sexual e problemas com ejaculação e impotência.


Pygeum africanum. A casca em pó desta planta perene que se encontra na África Central, há séculos que é utilizada para tratar problemas urinários. Vários ensaios clínicos europeus demonstraram que suplementar a alimentação com esta substância ajuda a melhorar a função urinária sem efeitos secundários tóxicos. O Pygeum africanum também pode ser eficaz para baixar os níveis de colesterol no sangue, que os investigadores pensam pode causar um exagerado crescimento celular na próstata.


Raiz de Urtica Dioica, rica em Beta-Sitosterol, que impede a conversão da Testosterona em Dehidrotestosterona (DHT), diminuindo assim as causas do aumento da próstata.

Epilobium parviflorum, planta medicinal muito utilizada pelos antigos no tratamento dos males da próstata, rins e bexiga. Ajuda na melhoria do jacto urinário.

Vitamina E, uma das mais importantes para a saúde e bem-estar do aparelho reprodutor masculino, do qual a próstata faz parte.

Se procura por um suplemento Nutriterápico eficaz para a Hipertrofia Prostática Benigna ( conhecida pela sigla HPB ou HBP), o "SSP3 Forte" tem sido uma boa solução para milhares de homens. A sua composição é de eficácia comprovada. É produzido em laboratório europeu certificado com o ISO 9001. Para saber sobre a bula do SSP3-Forte, está tudo publicado na Internet neste link:
http://problemasnaprostata.blogspot.pt/2013/04/ssp3-forte-bula.html 

Pectina cítrica modificada. Há uma excitante nova descoberta no horizonte sempre em evolução da Medicina Complementar. É a pectina cítrica, um componente da fibra derivada dos frutos cítricos. Um estudo feito em animais na Universidade Estatal de Wayne descobriu que esta fibra evitou que o cancro da próstata produzisse metástases em ratazanas (Journal of the National Cancer Institute, vol. 87, 1995, pp. 348-353). Apesar de ser um pouco cedo para chegar a conclusões alargadas sobre os benefícios médicos da pectina cítrica, este nutriente natural com certeza não faz mal. Doses de 10-15 gr já são recomendadas pelos nutricionistas.

Seguem-se algumas terapias alternativas que não são mencionadas pelos médicos convencionais. Incluem terapias que não são reconhecidas ou aprovadas pela Food & Drugs Administration, como dietas, imunoterapia, e remédios à base de ervas.

Terapia à base de dieta. Muitas terapias alternativas para o cancro - incluindo o Programa em Oito Etapas ( que falaremos no Capítulo 6)) para a saúde completa da próstata - têm como base reforçar a capacidade do corpo para prevenir e tratar o cancro através da nutrição. Os programas de dieta mais conhecidos - o de Pritkin, de McDougall e a macrobiótica - concentram-se em quantidades generosas de fibras, fruta e vegetais. Além desta dieta vegetariana restrita, estas terapias realçam a importância da idoneidade física e uma atitude mental forte e positiva. As filosofias "de volta às coisas básicas" e "você é o que come" por trás das terapias à base de dieta têm sido bastante eficazes para milhares de pessoas, incluindo muitos dos meus pacientes.

Terapia metabólica. Alguns médicos adeptos dos métodos alternativos ou complementares levaram a terapia à base de dieta um passo mais além. A terapia metabólica consiste em lavar o sistema, mantendo uma dieta vegetariana equilibrada, e dando ao corpo suplementos de vitaminas (especialmente vitaminas C e A) e enzimas.

A terapia Gerson é o fundamento de muitos tratamentos metabólicos. O programa foi projectado pelo defunto Dr. Max Gerson, um médico nascido na Alemanha, que foi responsável por curar a mulher de Albert Schweitzer de tuberculose avançada dos pulmões. O programa Gerson tem como objectivo livrar o paciente das toxinas mortais fazendo-o aderir a uma dieta que inclui óleo de linhaça (uma fonte de ácidos gordos 3-omega) e sumos de cenoura e fígado (fontes de vitamina A). O tratamento, que é fornecido pelo Instituto Gerson em Tijuana, México, provou ter sucesso para os que conseguem aderir ao regime exigente. Muitos tratamentos metabólicos incluem laetrile, o símbolo do tratamento alternativo ou complementar do cancro. O laetrile (também conhecido como vitamina B-17) é um derivado do produto químico amigdalina, que se encontra nas sementes de todos os frutos comuns e em 1200 plantas diferentes. Era usado pelos antigos egípcios, chineses, gregos e romanos para tratar o cancro. Quando utilizado juntamente com uma dieta metabólica que inclui enormes doses de vitaminas, minerais e enzimas, o laetrile tem demonstrado que é capaz de inibir o crescimento de tumores. Infelizmente não foi aceite pela FDA e a comunidade médica convencial - surpresa, surpresa.

Outro centro para o tratamento do cancro que não é aceite, também se encontra em Tijuana, no México. Aí, no centro biomédico, administra-se o tratamento Hoxsey para o cancro. Esta terapia alternativa é talvez a mais difícil de acreditar, mas tem-se provado que funciona. No início foi formulada como um tónico para cavalos e foi dada a Harry Hoxsey, que começou a receitá-la a seres humanos em quantidades mais pequenas, juntamente com uma dieta restrita, nos anos 20. O tónico contém várias ervas que têm propriedades anti-cancerígenas conhecidas, como o alcaçuz, trevo vermelho, raiz de bardana, raiz de Phytolacca americana, e casca de Cáscara sagrada. Pode ler mais sobre o tratamento de Hoxsey no livro de Judith Glassman, Os Sobreviventes de Cancro.


Imunoterapia. A imunoterapia concentra-se na utilização de substâncias produzidas pelo corpo do paciente para reforçar o sistema imunitário para que ele próprio possa atacar as células cancerosas.

Um dos tratamentos de imunoterapia mais conhecidos é a terapia imunoaumentativa (TIA) desenvolvida por Lawrence Burton, Ph.D. (que foi durante 15 anos um oncologista no Hospital de S. Vicente na Cidade de Nova York). Burton descobriu que certas proteínas têm que estar presentes no sangue para que o sistema imunitário possa lutar contra o cancro. O TIA consiste em injectar pacientes com as proteínas que faltam duas vezes por dia. Apesar dos atestados de numerosos pacientes notáveis, este método, que parece ser tão simples e lógico, foi denunciado pela comunidade médica dos Estados Unidos.
Como consequência dos seus métodos, Burton foi exilado para as Bahamas, aonde dirige um departamento para pacientes externos chamado Centro de Investigação Imunológica, no Hospital Rand Memorial em Freeport.



O TIA não é tóxico e produz muito poucos efeitos secundários.

O tratamento de Livingston é uma forma holística de imunoterapia desenvolvida pela Dra. Virginia Livingston, antiga professora na Universidade de Rugers. Este tratamento consiste em duas vacinas - uma preparada a partir de uma cultura de bactérias do paciente, a outra uma vacina contra a tuberculose (BCG) - juntamente com uma dieta vegetariana restrita e psicoterapia.


Terapias à base de ervas. Na Alemanha, o saw palmetto é um tratamento tido em alta consideração para as condições da próstata, apesar de que aqui nos Estados Unidos não é reconhecido pela FDA. O Saw Palmetto (Serenoa repens) é uma pequena palmeira nativa da Flórida. A árvore dá um fruto que é usado para aliviar os problemas e desconforto da próstata há séculos. Foi demonstrado que o extracto de lipoesterol (gordura e esterol) das bagas de saw palmetto é eficaz para aliviar os sintomas de uma próstata hipertrofiada devido à inibição de dihidrotestosterona, o composto que se suspeita seja a causa da hipertrofia da próstata.

Os índios americanos tinham grande fé nestas bagas, comendo quatro ou cinco por dia para melhorar a sua vida sexual. A Serenoa repens está finalmente a ter o reconhecimento que merece como um potente medicamento para a próstata. Os investigadores documentaram um caso recente de um homem de 70 anos que normalizou a função da próstata com êxito, comendo as bagas. E até os urologistas, depois de anos de o desprezarem como uma cura de fantasia, estão a receitar o saw palmetto para ajudar a aliviar os problemas da próstata. O "SSP3 Forte" é uma dessas formulações, naturais, que deve levar em conta.

O Cominho é outra erva que tem importantes propriedades anti-cancerosas. Num estudo de pacientes com cancro urológico, incluindo o cancro da próstata, os urologistas do Hospital Regional da Galileia Ocidental descobriram que o consumo de cominho representava um papel importante na prevenção do cancro. Os investigadores determinaram que 40 por cento dos que não tinham cancro usavam o cominho regularmente na comida, comparados com só 12 por cento dos que tinham cancro.


Estudos feitos em animais no Instituto do Cancro Adyar em Madras, Índia, apoiam os resultados israelitas. A investigação indiana estudou 20 especiarias e folhas de plantas diferentes à procura de propriedades anti-cancerígenas. Numa série de testes, o Cominho aumentou consideravelmente a actividade do produto químico GST no corpo, uma enzima desintoxicante que se sabe protege contra certos tipos de cancro. Noutro teste, o Cominho bloqueou 83 por cento dos danos geralmente produzidos nos cromossomas por um químico potentemente cancerígeno, enquanto que as sementes de papoila bloqueavam 80 por cento e o açafrão-da-Índia 54 por cento.

Os bioflavonóides presentes nos rebentos de soja também têm propriedades anti-cancerígenas. A soja tem imensas qualidades para a prevenção e tratamento de doenças e protege contra os cancros do peito e próstata. Cientistas alemães descobriram que a proteína de soja contém um componente chamado "genisteina", que bloqueia o crescimento dos vasos sanguíneos. Em geral, as pessoas adultas não produzem novos vasos sanguíneos excepto se estão grávidas, seriamente feridas, ou têm um tumor em crescimento. A teoria é que o genistein pára o crescimento do tumor porque não deixa passar os alimentos. Novos estudos descobriram que também reduz os níveis de colesterol. Além do mais, os investigadores encontraram uma ligação entre o consumo de grandes quantidades de alimentos à base de rebentos de soja e a baixa mortalidade causada por cancro da próstata nos homens japoneses, para quem os rebentos de soja são um alimento básico.

Também foi demonstrado que o pólen de abelhas trata eficazmente a prostatite crónica. Num estudo feito por Gosta Johnson, médico na unidade de urologia da Universidade de Lund, na Suécia, deram a dez pacientes com prostatite crónica avançada suplemento de pólen de abelhas durante um ano. Ao fim de um ano, cinco dos pacientes não tinham sintomas. E ainda outro estudo foi dirigido por Yutaka Saito, médico no departamento de urologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Nagasaki. O Dr. Saito deu o mesmo suplemento de pólen de abelhas a 30 pacientes com prostatite crónica durante um período de seis meses. Dezasseis dos pacientes melhoraram drasticamente, 13 demonstraram melhoras notáveis e só um paciente não melhorou.

Essiac. O Essiac é outro tratamento alternativo ou complementar para o cancro que tem tido grande êxito mas tem sido completamente ignorado pela medicina convencional. O Essiac é um chá feito de ruibardo indiano, azedas (Rumex acetosa), ulmeiros (Ulmus fulva), e raízes de bardana. O tratamento foi dado a conhecer ao público pela primeira vez nos anos 20 pela defunta Rene Caisse, antiga enfermeira chefe no Hospital das Irmãs da Providência em Haileybury, Ontario. Caisse deu com este antigo remédio índio quando encontrou uma mulher no Canadá que tinha usado o tratamento para curar um cancro do peito. Caisse foi suficientemente inteligente para tomar nota da receita e usá-la mais tarde com êxito para tratar o cancro terminal de fígado e de estômago da própria tia. Depois de dois meses de tomar o chá, a tia dela ficou melhor e viveu outros 22 anos. Caisse começou a tratar todos os seus pacientes "terminais" com o chá, com imenso êxito.

O Essiac (Caisse soletrado ao contrário) há 70 anos que é usado como um medicamento de ervanário em literalmente milhares de pacientes, e no entanto quase ninguém tem ouvido falar nele. O Essiac (que se usa agora para lutar contra a SIDA) existe nos Estados Unidos.

Terapia com antineoplastons. O Dr. Stanislaw Burzynski, um médico bioquímico nascido na Polónia e a trabalhar em Houston, Texas, descobriu que um grupo de cadeias peptídicas (cadeias curtas de amino ácidos) e derivativos de amino ácidos que se encontram presentes naturalmente no nosso corpo inibem o crescimento das células cancerosas. Deu a essas cadeias peptídicas o nome de antineoplastons, devido á sua capacidade de inibir o crescimento celular neoplástico ou canceroso. Burzynski descobriu que os pacientes com cancro têm poucas dessas cadeias peptídicas no corpo, e que quando as voltou a introduzir no sangue dos pacientes, por via oral ou intravenosa, conseguiu uma redução ou até remissão completa do tumor. O Dr. Burzynski abriu o Instituto de Investigação Burzynski em 1977 e já tratou, com sucesso, mais de 2000 pacientes com cancro, a maior parte deles em estado avançado da doença. Nesta altura, esta terapia foi aprovada para provas clínicas pelo Instituto Nacional do Cancro (NCI).

A terapia com neoplastons tem sido usada com êxito no tratamento de pacientes com cancro da próstata. Também pode ser usada juntamente com outras terapias para o cancro; e é por vezes usada, por exemplo, com pequenas doses de quimioterapia para certos tipos de cancro.

Cientistas em países como o Japão, Polónia e o Commonwealth of Independent States estão a investigar activamente os neoplastons enquanto os investigadores nos Estados Unidos continuam a arrastar os pés.


Acupunctura. A acupunctura é particularmente útil para minimizar os efeitos dos tratamentos mal-amanhados receitados pela Medicina Ocidental. Se decidir submeter-se a um tratamento convencional, aconselho-o a tentar a acupunctura como tratamento complementar.

A acupunctura é um antigo sistema chinês com base na crença de que a saúde é determinada pelo fluxo em equilíbrio de energia vital (qi ou chi) através do corpo. Na acupunctura estimulam-se os pontos da acupunctura com a introdução e remoção de agulhas para dirigir o fluxo de energia no corpo. Esta operação eficaz e essencialmente sem dor estimula o sistema imunitário e alivia a dor. É um método não invasivo provado que não causa efeitos secundários.


Cartilagem de tubarão. A investigação demonstrou que a cartilagem de tubarão pode parar o fluxo sanguíneo para os tumores, parando assim o crescimento do tumor e eventualmente diminuindo o tamanho do mesmo. Os tumores crescem com o seu próprio sangue num processo que se chama angiogénese. A cartilagem, por outro lado, não produz o seu próprio sangue devido ao seu conteúdo anti-angiogénico. Robert Langer, médico no Massachussetts Institute of Technology demonstrou que a cartilagem dos tubarões tem 1000 vezes mais deste inibidor de angiogénese que qualquer outro tipo de cartilagem.


Toque terapêutico. A terapia do toque terapêutico foi desenvolvida em 1972 pela Dra. Dolores Krieger, professora emérita na Universidade de Nova York, e por Dora Kunz, uma curadora. O Toque Terapêutico já foi ensinado em mais de 80 faculdades nos Estados Unidos e em 68 países. Ironicamente, esta terapia não envolve essencialmente nenhum contacto entre o curador e o paciente. Ao contrário, o curador determina os bloqueios no campo energético do paciente colocando as mãos de 2 a 6 polegadas do corpo, com movimentos rítmicos e lentos. O curador trabalha então para reabastecer o fluxo de energia com movimentos das mãos semelhantes aonde necessário. É eficaz para aliviar a congestão e remover obstruções. O Toque Terapêutico demonstrou diminuir a ansiedade, a tensão, dores, e inflamações. Como a acupunctura, é uma óptima terapia complementar se decidir submeter-se a tratamento convencional.

Terapia Marma. Os praticantes de Ayurveda usam os pontos sensíveis na pele a que chamam marmas (Parecidos com os meridianos da medicina chinesa). A estimulação dos marmas dirige o fluxo de energia e faz a ligação entre a mente e o corpo. A terapia de massagens marma estabiliza a energia no corpo estimulando qualquer dos 107 marmas. A meditação transcendental é um modo eficaz de estimular os três marmas primários a partir de dentro. Estes marmas encontram-se na cabeça, coração e parte de baixo do abdómen e têm uma forte influência nos restantes 104 marmas.

Os praticantes de Ayurveda determinam primeiro as energias específicas que estão desequilibradas no paciente. Uma vez determinadas, o praticante pode apontar os marmas a massajar para re-estabelecer a harmonia entre os campos de energia. Os praticantes usam com frequência uma massagem diária com óleo de sésamo (abhyanga) que alcança todos os marmas. Outro tratamento marma estimulante e que reforça o sistema imunitário é o pachkarma. Esta terapia altamente estimulante e calmante consiste em fazer pingar vários tipos de óleos na testa, juntamente com tratamentos médicos especiais à base de ervas introduzidos por meio de terapia a vapor e enemas de ervas.



Os pacientes de Ayurveda testemunham quão eficaz é a terapia marma para aliviar a tensão, dores e outras doenças crónicas. É também uma técnica inestimável para alcançar uma saúde e bem-estar vitais unificando a mente e o corpo. A terapia marma é oferecida nas clínicas de Ayurveda como uma terapia para pacientes internos ou externos.



Hidroterapia. A hidroterapia é usada há séculos para manter uma boa saúde. O processo envolve a utilização de água (quente, fria, gelada, a vapor, etc.) num banho sitz, douche, jacuzi, sauna, chuveiro, banho de imersão, cataplasmas, banhos de pés, invólucro, etc. O tratamento de hidroterapia mais comum para HBP é uma imersão parcial da zona pélvica. Pode ser feito em água quente, água fria, ou numa combinação de água quente e fria. Um banho sitz quente é muitas vezes dado inicialmente para relaxar e abrir a passagem urinária. Este banho é tomado durante três a dez minutos em água entre 40,5 e 45 graus centígrados, seguido de uma lavagem a esponja da zona pélvica. Um banho quente dos pés entre 43 e 46 graus centígrados juntamente com o banho sitz causou um alívio ainda maior. Um banho sitz neutro (dado entre 33 e 35 ºC, de 15minutos a duas horas, é eficaz para reduzir inflamações agudas.





Possivelmente, a maior descoberta para a cura da próstata em décadas!


Até há uns anos atrás, se a sua próstata o continuasse a incomodar não teria muita escolha. Mesmo depois de experimentar todas as terapias complementares teria que considerar a cirurgia. Para a maior parte dos homens, já não é necessário fazê-lo. Há uma opção melhor - uma opção muito melhor: hipertermia transrectal ou transuretral. É um tratamento de microondas a altas temperaturas que foi proposto pela primeira vez pelo Dr. Jozef Mendecki, em 1980 (apesar de que só recentemente foi aprovado pela FDA). Desenvolveu a tecnologia com uma das principais empresas de microondas em Israel.

Com base no princípio de que é possível aquecer e destruir o tecido hipertrofiado dentro da próstata sem desequilibrar as funções da glândula, a hipertermia foi utilizada pela primeira vez com um aplicador especial colocado no recto, a partir do qual microondas hipertérmicas profundas foram enviadas para a parte de trás da próstata. A zona rectal estava protegida com um dispositivo de arrefecimento, uma vez que as microondas aquecem o tecido da próstata até 43 graus centígrados (106 graus Fahrenheit). Nos últimos dois anos, um novo método, utilizado cada vez por mais clínicas, foi inventado: uma pequeníssima varinha de microondas é introduzida sem dor através da uretra (o canal urinário do pénis) para chegar à parte central da próstata e aquece precisamente a zona aonde a glândula, na maior parte das vezes, causa obstrução do fluxo urinário.

Um tratamento de hipertermia leva 60 minutos e é dado semanalmente durante quatro a oito semanas. É completamente livre de dor, não necessita de anestesia e é uma operação para pacientes externos. É altamente eficaz em mais de 70 por cento dos casos e em geral custa de $1.000 a $2.000, comparado com $10.000 a $18.000 por um TURP com a necessária hospitalização.

Apesar de tudo, não tem havido grande pressa em adoptar ou falar nesta operação. Porquê? Economia, acho eu. Os TURPs são a base financeira da urologia, e a hipertermia ameaça uma técnica cirúrgica salvaguardada que significa, só nos EUA, cerca de 400.000 operações altamente rentáveis por ano.



Tratamentos prometedores no horizonte

Além da hipertermia, há dois tratamentos em investigação neste momento que parecem prometedores como alternativas eficazes para o método arriscado e sanguinolento do TURP. Uma é a criocirúrgia, durante o qual nitrogénio liquido super-arrefecido congela e mata o tecido prostático hipertrofiado. O outro é a cirurgia com raios laser, durante a qual um instrumento é introduzido no pénis para raspar a parte da próstata que está a causar o bloqueio.

De momento, no entanto, a melhor maneira de tratar HBP avançada é com hipertermia e apoio alimentar - uma combinação completamente livre de riscos. Dois terços a três quartos de todos os homens que seguem este método têm resultados satisfatórios, com os quais podem viver sem efeitos secundários.



Para saber mais, peça o ebook "O que todo o Homem deve saber sobre a Próstata" aqui, é GRÁTIS:
http://ebookdoshomensdepoisdos40.blogspot.pt/

4 - TRAMENTOS CONVENCIONAIS (os que normalmente são dados pelos nossos médicos) PARA O CANCER

É importante que conheça os factos sobre todos os tipos de tratamento do cancro da próstata que existem - convencionais e os alternativos ou complementares - para que possa tomar uma decisão informada e inteligente. A seguir vem uma lista extensa de opções para o tratamento para readquirir e manter uma próstata saudável. Antes de tomar grandes decisões, assegure-se de que tomou em consideração todos os métodos. Leve o seu tempo a discuti-los com o seu médico e faça ainda mais investigação sobre os métodos que pensa possam ser os apropriados para si. Não se deixe apressar e pressionar a escolher um método drástico e convencional antes de tomar em consideração outras opções alternativas. Enquanto em alguns casos uma operação pode ser necessária, na maioria dos casos não é.




O tratamento convencional do cancro baseia-se na suposição de que o cancro começa com um tumor localizado que eventualmente se espalha pelo corpo. Com base nesta suposição, o tratamento convencial tem-se concentrado em eliminar o tumor cortando-o e removendo-o, queimando-o, congelando-o e, se tudo o resto falha, inundando-o de drogas perigosas que matam as células cancerosas.









Alternativas para o Tratamento do Cancro da Próstata



Hoje em dia, o verdadeiro assassino no tratamento normal do cancro em todas as formas, é muitas vezes a terapia. Radio e quimioterapia, que resultam em perda de cabelo, vómitos e destruição precoce irreversível do sistema imunitário e podem causar uma morte debilitante, são instigados por pessoas com um ar completamente infalível, a pacientes em pânico com a ideia do cancro. As doses geralmente são calculadas muito perto de, irreversivelmente, destruírem o sistema imunitário. Na maior parte das vezes conseguem impedir o sistema imunitário de voltar a ser como antes, deixando o paciente com muito poucas defesas. Quando isto acontece, a doença, quando se espalha, espalha-se como um incêndio num bosque.



Felizmente, muito poucos médicos se sentem tentados a utilizar a quimioterapia para o cancro da próstata simplesmente porque o cancro da próstata não responde a esta forma de barbarismo imuno-repressivo. A radioterapia, no entanto, é apresentada como uma das duas grandes opções para os pacientes que sofrem de cancro da próstata. A outra é cirurgia, uma prostatectomia radical. Além de afectar o sistema imunitário, irradiações à próstata podem danificar o tecido normal e saudável adjacente, muitas vezes causando colite radioactiva ou proctite, que podem ser permanentes.

A remoção cirúrgica total da glândula prostática também pode ter como efeitos permanentes a impotência ou incontinência. Segundo um recente estudo Harris, 75 por cento dos homens que se submeteram à operação "sofreram depois de impotência". As estatísticas oficiais admitem que 40 a 50 por cento sofrem de impotência e 10 a 20 por cento sofrem de incontinência. Na melhor das hipóteses, é cirurgia drástica com um tempo de convalescença longo e doloroso.



Mas o pior aspecto destes dois métodos localizados, as únicas opções oferecidas por 99 por cento dos urologistas, é que muitas vezes falham. Um estudo feito em 1994 dos resultados obtidos no Centro Médico da UCLA, conhecido pelo seu departamento de urologia de alta qualidade, demonstrou uma taxa de recorrência (medida pelos níveis de PSA em aumento) em 31 dos pacientes depois de cinco anos e em 52 por cento depois de 10 anos.



Uma vez que a taxa de recorrência depois de radioterapia é da mesma magnitude, foi feito um estudo num grupo de homens, principalmente com mais de 70 anos (os resultados do qual foram publicados no Journal of the American Medical Association). Demonstrou que as pessoas que não se submeteram a nenhuma destas terapias ficaram igualmente bem. Daí se criou a ideia de que os homens com cancro na próstata tinham uma terceira opção: uma espera vigiada - sem fazer nada.



Se as únicas opções fossem realmente quimioterapia, radiações e cirurgia, talvez começasse a pensar que uma espera vigiada era melhor do que essas terapias miseráveis da medicina ortodoxa. Mas porque estão disponíveis tantos tratamentos alternativos eficazes, seguros e que não são arriscados, pode-se dizer que uma espera vigiada é o cúmulo da loucura.




O tratamento do cancro alternativo ou complementar baseia-se na premissa de que o sistema imunitário tem a capacidade de destruir as células cancerosas e evitar que se espalhem. Mas quando o sistema imunitário falha porque está enfraquecido devido aos radicais livres e produtores de tensão com que o corpo é bombardeado todos os dias, já não consegue lutar contra as células cancerosas o que lhes permite progredir até formarem um tumor. Os tratamentos alternativo ou complementares concentram-se em rejuvenescer o sistema imunitário, dando ao corpo o reforço de que precisa para se curar.





A base do programa contra o cancro .


O método baseia-se em vários princípios que permitem a pessoas mesmo com cancro numa fase avançada, viver vidas completas e felizes. O pano de fundo do programa é definido pelos preceitos e apoio à nutrição que se seguem:



Uma menor ênfase na importância do tumor em si. Não sabemos o que causa o cancro, mas sabemos que a doença não se limita ao tumor em si. De facto, a doença é um desequilíbrio interno qualquer que leva ao crescimento descontrolado de células anormais. Por isso, diminuir ou destruir a excrescência maligna não elimina a doença. Na verdade, não terá a menor esperança de curar a doença se não restaurar a capacidade do corpo de controlar o crescimento de células anormais.



Se o tumor diminuir porque o sistema de defesa do corpo o fizer diminuir, óptimo - mas a destruição do tumor a qualquer preço é inútil. Matar tecidos vitais ou enfraquecer as defesas do corpo para diminuir um tumor não serve absolutamente de nada.



A importância cada vez maior dos antioxidantes. O dano causado nas células por oxidação devido às moléculas radicais livres pode dar origem a cancro. Para se protegerem contra tal dano, pacientes com cancro da próstata deveriam receber o conjunto completo de antioxidantes - os mesmos antioxidantes para pacientes com HBP, muitas vezes em doses bastante mais elevadas.



O poder do sistema imunitário (ou imunológico). O tratamento convencional do cancro é provavelmente o único exemplo na gloriosa história da medicina no qual 100 por cento do tratamento é dedicado a destruir a doença e nenhum esforço é feito para fortalecer a pessoa que tem a doença. Por isso, todos os tratamentos mutilam ou destróiem o sistema imunitário. Mas reforçar o sistema imunitário é essencial para restaurar a capacidade do corpo de domar as células anormais. O que se transforma no centro do processo de auto-protecção que evita que as mudanças pré-malignas se transformem em tumores.



Tomar extractos pancreáticos praticamente todo o tempo também é crucial. As células cancerosas parecem rodear-se de um escudo protector que as torna invulneráveis à destruição por parte do sistema imunitário. Mas aparentemente as enzimas pancreáticas desactivam essa barreira.



Dieta. Muitas dietas parecem combater o cancro, e muitas - macrobiótica, dietas à base de trigo, a dieta Gerson, etc. - têm tido bastante sucesso em casos individuais. Em geral, dietas sem açúcar e principalmente que incluem vegetais crus, frescos e produzidos organicamente. O nosso raciocínio tem base no trabalho de Otto Warburg, Director do Instituto de Fisiologia Celular Max Planck na Alemanha, vencedor do Prémio Nobel duas vezes, que demonstrou que os tumores cancerosos necessitam de glicose e que os vegetais estão cheios de enzimas e fitonutrientes que têm notáveis propriedades anti-cancerosas. Também realçamos a importância da carne, peixe e aves sem aditivos ou hormonas para fornecer as proteínas necessárias para reforçar o sistema imunitário.



O poder do pensamento positivo. As doenças pioram ou melhoram dependendo do seu estado de espírito. Sabemos que é um facto. Ficar-se horrorosamente mal disposto devido á radio ou quimioterapia e sentado numa sala de espera aonde há outras pessoas ainda mais doentes não faz muito bem á psique.



















Terapias Adicionais para Combater Tumores





Os marcadores de tumores são cruciais para o método. Em geral, se e quando aumentam indicando o crescimento e propagação de cancro, junto outro tratamento alternativo eficaz ao arsenal de defesa contra o cancro do paciente, aumentando a dose ou frequência dos tratamentos eficazes que já lhe estou a administrar. No caso do cancro da próstata, o PSA é um marcador de tumores de confiança; e as terapias adicionais geralmente fazem-no voltar ao normal..



Segue-se uma lista parcial das terapias naturais contra o cancro ou que ajudam a estabelecer a resistência, que os meus pacientes têm recebido a caminho de remissões prolongadas de cancros definidos como incuráveis pela medicina tradicional.



Enzimas pancreáticas

Grandes quantidades de enzimas pancreáticas são uma parte integral de alguns dos tratamentos alternativos para o cancro com maior sucesso, incluindo os ideados pelos Drs. Nicholas Gonzalez e William Donald Kelly, pela maior parte dos programas alemães e austríacos e pelos americanos que administram a "terapia metabólica".



Quando uma quantidade suficiente de enzimas é administrada via oral, é bastante comum verificar-se uma "crise de cura" devido à rápida desagregação do tecido canceroso. É mais provável que o colapso do tumor seja causado por enzimas pancreáticas, do que pela maior parte das formas de quimioterapia. Por esta razão se têm que utilizar técnicas de limpeza internas juntamente com altas doses de enzimas.



Terapias abastecedoras de oxigénio

Apesar de que as terapias à base de oxigénio ainda não foram aprovadas pela FDA neste país, mais de 10 milhões de pessoas em todo o mundo têm beneficiado delas. Centenas de estudos têm vindo a demonstrar que estas terapias que realçam o sistema imunitário são eficazes em mais de 50 doenças - e 100 por cento seguras desde que sejam administradas por um profissional qualificado.





A aplicação de oxigénio ao cancro é outra terapia que se baseia no trabalho do vencedor do Prémio Nobel, Otto Warburg. Em culturas de tecidos, o Dr. Warburg demonstrou que células normais se tornam cancerosas quando privadas de oxigénio - e que o oxigénio pode matar as células cancerosas. A teoria dele é que uma deficiência de oxigénio pode ser a causa principal de todos os cancros (o que não seria surpreendente num mundo rapidamente a ficar sem oxigénio devido à poluição e desflorestação). E sugeriu terapia com oxigénio como uma forma de tratamento.



Há Muitas, Muitas Outras Opções



Há muitíssimos outros tratamentos alternativos: germânio (um elemento com capacidade de destruir tumores e que realça o funcionamento do sistema imunitário), azevinho (utilizado por milhares de médicos europeus desde os anos vinte e apoiados por dúzias de estudos publicados), sulfato de hidrazina (o melhor agente jamais inventado para inverter o enfraquecimento - chamado "caquexia" - nos pacientes com cancro), amigdalina/laetrile (ouviu falar na controvérsia - eu vi como funciona), garra de gato, fracção D do maitake, as ervas Hoxsey, e dúzias de outras.



A opção da hipertermia

Voltamos ao assunto ainda controverso de se o cancro da próstata deve ser tratado localmente quando é detectado precocemente e está provavelmente confinado só à próstata. A maneira de pensar convencional é que a remoção do cancro é curativa, como sucede geralmente com o cancro do peito. Mas o cancro da próstata é muito diferente. As vantagens duma excisão/radiação local para a sobrevivência do paciente são insignificantes. Parece que se obtêm resultados melhores com terapia hormonal intermitente como principal contribuição ortodoxa.



Mas há uma terapia local que pode ser responsável por grande parte da nossa taxa de sucesso com os pacientes. É a hipertermia (tratamento a calor), o mesmo tratamento que funciona tão bem com as doenças benignas da próstata.



Inicia-se quase sempre a terapia hormonal juntamente com tratamentos de hipertermia. A eficácia da hipertermia na destruição do cancro é conhecida há alguns anos. Baseia-se nas características biológicas das células cancerosas (e também dos tumores benignos de crescimento rápido) que as tornam muito mais susceptíveis a danos causados por calor do que as células normais. Aumentando o fluxo sanguíneo na próstata, a hipertermia focaliza o tratamento e realça a eficácia de outros tratamentos.



Uma vez que a hipertermia também aumenta a permeabilidade das membranas das células cancerosas, os agentes terapêuticos penetram melhor nas células para exercer o seu efeito terapêutico.



O Dr. Mendecki oferece várias explicações para este fenómeno. O calor promove a libertação de enzimas que ajudam a digerir as células cancerosas; inibe o ADN e debilita a replicação das células cancerosas; e os tumores são mais facilmente danificados pelo calor do que o tecido normal. Além do mais, vários estudos demonstraram que a hipertermia em conjunção com radiações pode conseguir a destruição do cancro causando muito menos danos ao sistema imunitário e à medula óssea do que a radioterapia utilizada em isolamento. Por isso, a tremenda destruição de tecidos causada pela radioterapia diminui consideravelmente.



Outra terapia local que os médicos podem utilizar para realçar o efeito curativo das terapias naturais não tóxicas chama-se "neutralização de cargas aceleradas" (ACN) a qual inverte a carga eléctrica (em geral negativa) à volta do tumor, utilizando uma pulsação eléctrica leve com uma carga oposta à do tumor. Segundo o seu inventor, Dr. Robert Bradford, a diminuição de tamanho provocada nos tumores foi muito satisfatória no caso do cancro da próstata.



Uma vez que todos estes tratamentos são leves, excepcionalmente seguros e bem tolerados, pensamos que não vale a pena confiar numa só terapia. Todas as nossas terapias são "peças dum puzzle" e todas fazem com que a "espera vigiada" pareça um verdadeiro crime.



O cancro pode ser dominado. O mais importante é que compreenda que tem muitas opções de tratamentos alternativos seguros. As terapias convencionais podem ter e têm efeitos prejudiciais. Se as tentar primeiro - arrisca a vida. As terapias alternativas, por outro lado, não lhe fazem mal. Não enfraquecem o seu sistema imunitário. E deixam intacta a sua anatomia masculina. Com tudo o que precisa a lutar por si pode bater o cancro, pelo menos, até o manter sob controlo e é se não conseguir uma vitória total.





A receita do médico convencional

(os médicos que normalmente conhecemos)



Não há muitas opções para o tratamento do cancro da próstata com a medicina convencial. As escolhas dependem de quanto a doença progrediu; e mesmo assim, os tratamentos são muito semelhantes e envolvem grandes riscos e consequências.



Para o cancro da próstata no estado A, tudo o que se faz em geral é causar um bloqueio hormonal completo para tentar obter uma remissão total. O que se consegue com uma combinação de terapia hormonal (CHT) - castração conjuntamente com a administração de hormonas.



Em seguida apresentam-se algumas opções para tratar pacientes com cancro da próstata no estado B:



=> A prostatectomia radical é uma grande operação cirúrgica durante a qual toda a próstata e tecido que a rodeia são retirados. Há várias consequências que resultam desta operação, no entanto não é uma cura segura, porque a verdadeira causa do cancro não é abordada. Os médicos têm que ter a certeza absoluta de que a doença está limitada à próstata; se não estiver, continuará a espalhar-se mesmo depois da operação.



=> A radioterapia é muitas vezes utilizada depois do cancro residual ser encontrado nas margens do tecido que foi retirado durante uma prostatectomia radical. Durante a radiação, um raio externo é utilizado para destruir tecido normal, sem nenhuma garantia de que destruirá as células malignas. A radioterapia também tem várias consequências sérias e de efeitos prolongados.



=> A braquiterapia é uma forma de terapia de radiação interna. Durante este método, sementes radioactivas são colocadas na próstata para destruir o tecido maligno. É essencial colocar bem as sementes para assegurar que a operação é eficaz. E, mais uma vez, as consequências da radiação têm que ser tomadas em consideração.



=> A ablação por criocirúrgia é uma terapia experimental que tem como resultado a destruição da próstata e áreas em redor por congelação. A operação consiste na introdução de três a cinco sondas dentro da glândula. Nitrogénio líquido em circulação a temperaturas negativas dentro das sondas congela o(s) tumor(es) maligno(s) e tecido à volta.



=> Hipertermia induzida por microondas é exactamente o oposto da ablação criocirúrgica. Esta operação consiste em expor as células malignas a temperaturas acima de 100ºF. Ainda está numa fase experimental e a ser investigada pela comunidade médica.



=> Hipertermia causada por laser, outra operação sob investigação, consiste no uso de fibras de laser que se dobram a 180ºF para criar áreas de hipertermia.



=> Fulguração a laser da próstata é outro tratamento em estudo. Um fibra laser em ângulo recto foi recentemente produzida que permite uma penetração mais profunda do raio laser na glândula prostática.



Para o cancro da próstata no estado C, o bloqueio hormonal completo é em geral eficaz para reduzir o tamanho do tumor para que possa ser tratado como uma doença no estado B. Se não funcionar, os médicos recorrem a tratamentos ainda mais perigosos como a ablação criocirúrgica.



Apesar de que o cancro no estado D não pode ser curado, os médicos continuam a tentar eliminar a doença com terapia hormonal prolongada ou indefinida ou com quimioterapia. Nenhum destes tratamentos dá alguma garantia, e todos têm efeitos secundários muito sérios. O tratamento convencional para o cancro da próstata no estado D1 consiste na terapia hormonal combinada ilimitada para um bloqueio hormonal completo.





3 - CANCER DA PRÓSTATA, DEMASIADO DIAGNOSTICADO E DEMASIADO TRATADO

Quando o cancro aparece na próstata, é normalmente aquilo a que os médicos chamam "cancro primário", o que significa que não se espalhou para outras partes do corpo. Começa na próstata e fica-se pela próstata. HBP não significa que virá a ter cancro da próstata. Não há evidência de espécie alguma que as duas doenças estejam relacionadas.



O cancro da próstata é uma das formas de cancro menos compreendido porque na verdade não sabemos o que o provoca. O que sabemos é que o cancro da próstata aparece principalmente em homens de mais idade. Um pouco mais de 80 por cento destes cancros são em homens com mais de 65 anos, e à volta dos 80 anos, cerca de 80 por cento dos homens têm alguma forma de cancro da próstata. Muitas vezes estes cancros mantêm-se inactivos durante anos antes de se notarem sintomas - e muitos homens podem nunca vir a ter sintomas. Apesar disso, a Sociedade Americana para o Cancro indica que cerca de 10 por cento de homens americanos virão a ter cancro da próstata em algum período da vida.



Nunca é demasiado tarde para tomar conta da sua própria saúde




Este Programa de Oito Etapas foi criado para poder ajudar a evitar que venha a ser uma dessas estatísticas. Mas mesmo se já o tiverem diagnosticado como sofrendo de cancro numa fase inicial, este programa pode ajudá-lo. Não lhe estamos a dizer que deixe de visitar os seu urologista ou médico de clínica geral, mas pedimos-lhe que lhe fale de como estas recomendações podem ser inseridas no seu regime de tratamentos. Quando o fizer, vai ver que tem mais opções do que pensava.



As simples mudanças de estilo de vida que lhe indicamos mais adiante neste livro podem reduzir em grande parte ou até eliminar quaisquer sintomas que já estejam presentes. E se for um caso avançado que necessite uma forma de tratamento convencional, este programa pode ajudá-lo a aliviar as dores e a melhorar o efeito do tratamento.



PSA - uma prova controversa para detectar o cancro



Se tiver problemas da próstata, o seu médico provavelmente vai querer utilizar a prova do antigene específico da próstata (PSA) para determinar se os seus problemas são devidos a um cancro - a maior parte dos médicos fá-lo. Este teste ao sangue mede o nível duma proteína que só se encontra na próstata. Se a prova tiver como resultado um nível alto de PSA, suspeita-se um cancro.



Temos de lhe dizer que, recentemente, a prova do PSA tem sido atacada. O problema é que pode dar resultados positivos quando não há cancro nenhum ou resultados negativos quando há cancro. Por isso, segundo um artigo recente na revista Health, muitos investigadores e alguns médicos americanos agora acham que "os resultados do PSA ... representam um instrumento pouco sofisticado e podem dar origem a uma operação que pode desnecessariamente estragar os seus tubos."



Deve concordar em fazer a prova?



Então o que é que faz se o seu médico quiser utilizar o PSA no seu caso? Este é um duro problema. Para homens que têm dores e outros sintomas - homens que podem estar nas fases terminais de cancro - o teste pode ser necessário. Mas se estiver nas fases iniciais de cancro que se limita à próstata, talvez passe melhor sem o fazer.



Os resultados positivos do PSA podem encorajar o seu médico a convencê-lo a fazer uma operação e a submeter-se a outros métodos radicais que pura e simplesmente não são necessários se o seu tumor for pequeno ou limitado à próstata. Como diz a revista Health, "É por esta razão que o Instituto Nacional do Cancro não sanciona as provas PSA ... Isto não é como cortar o cabelo. É um teste ao sangue sobre o qual os homens devem saber alguma coisa antes de o fazer."



O melhor que o seu médico pode fazer pelos seus problemas da próstata é nada. Você, por outro lado, deve dar-se conta de que há muita coisa que pode fazer agora mesmo para reduzir drásticamente os seus sintomas - e até para os eliminar de todo. Na maior parte dos casos, o cancro da próstata pode ser controlado com uma dieta apropriada, exercício e terapias naturais - os pilares do Programa em Oito Etapas. Mas antes de chegar aos pormenores deste programa, tem que perceber como se desenvolve o cancro da próstata.



Cancro da próstata - de A a D



Nos Estados Unidos da América usa-se o sistema Whitmore-Jewitt para classificar o potencial maligno do cancro da próstata durante o progresso da doença do estado A ao D.



O cancro no estado A encontra-se geralmente só quando a biópsia é feita para o que se pensa ser HBP. Um tumor no estado A está geralmente limitado à glândula prostática. Não se espalhou por nenhuma outra parte do corpo - o que o torna relativamente passivo. O cancro no estado A raramente produz sintomas e não se pode detectar com um exame ao recto ou um teste ao sangue. O resultado é que geralmente passa despercebido.



Alguns médicos esperam arranjar um teste que permita detectar o cancro neste estado - mas nós esperamos verdadeiramente que não consigam. Se os médicos conseguirem detectar o cancro da próstata tão cedo, só dará lugar a mais medo, mais infelicidade e mais operações desnecessárias a homens mais jovens que de outro modo levariam vidas normais.



O cancro no estado B também está confinado à próstata. Aparece à apalpação como um nódulo duro e por isso é detectável com um exame digital rectal. Se o tumor detectado for pequeno, é sub-categorizado como um cancro B1. Um tumor maior é sub-categorizado como um B2. Os sintomas são os mesmos que para HBP - uma necessidade frequente e urgente de urinar e um fluxo interrompido ou reduzido - mas por vezes não há sintomas nenhuns.



Vinte a trinta por cento dos homens a quem é diagnosticado o cancro da próstata entram na categoria do estado B. Se é um deles, pedimos-lhe vivamente que não deixe o seu médico convencê-lo a fazer tratamentos radicais. Primeiro fale-lhe do Programa de Oito Etapas. Se ele continuar a bombardeá-lo, procure outro médico - ou pelo menos peça uma segunda opinião. Procure um médico que esteja qualificado para utilizar este método que se aplica a todo o corpo - um método que é muito, muito mais eficaz a longo prazo do que a filosofia de cirurgia-e-medicamentos - a única filosofia de demasiados médicos americanos.



O cancro no estado C é maior e já não se limita à próstata. Em geral, isto significa que o tumor já se espalhou para os sacos seminais. Este estado é facilmente detectado com um exame rectal. O tumor é duro e ao tacto parece ter-se espalhado por trás da base da próstata e por cima através dos testículos. Os sintomas podem ser parecidos com os do cancro no estado B mas em geral são mais pronunciados - e podem ser dolorosos.



É importante lembrar que o cancro da próstata cresce lentamente. Apesar de que a terapia hormonal e à base de radiações são muitas vezes sugeridas para o cancro da próstata no estado C, nenhuma produz tantos benefícios como os tratamentos alternativos ou complementares. A medicina alternativa incorpora ervas e maneiras naturais de aumentar a sua própria imunidade para impedir que os tumores se espalhem. É aqui que a medicina de Ayurveda, homeopatia e acupunctura podem ter um papel importante no controlo da doença.



O cancro no estado D já se espalhou para além da próstata a outras partes do corpo. Um tumor no estado D1 só se espalhou até à região dos nódulos linfáticos na pélvis. Um tumor no estado D2 é ainda mais sério porque se espalhou a outras zonas, como por exemplo os pulmões e ossos.



Os sintomas do cancro no estado D incluem sérios problemas durante a micção, perda de peso, e dores nos ossos nas costas, em baixo, na pélvis e na parte de cima das coxas. O cancro no estado D não pode ser curado - mas pode ser controlado sem cirurgia.

2 - AS COMPLICAÇÕES DA PRÓSTATA NÃO TÊM DE SER UMA PARTE NORMAL DO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO

Quando jovem, ou até quando se é um adolescente, pode-se ficar dolorosamente ciente da próstata quando se sofre o primeiro ataque de prostatite, uma inflamação da glândula prostática muito comum e facilmente tratada que pode ser causada por infecções, congestão, irritação ou uma combinação das três coisas. Segundo um estudo feito pelo Centro Nacional de Saúde para as Estatísticas da Saúde, 20% a 25% de todas as visitas ao urologista são devidas a uma prostatite. Os sintomas desta condição incluem uma micção mais frequente e dolorosa e um fluxo urinário hesitante.



A prostatite aguda é causada por microorganismos ou bactérias que invadem a próstata. Muitas destas infecções são causadas por bactérias que passam através do sangue ou são causadas por uma fraca higiene pessoal (especialmente em homens não circuncidados). Outra causa comum de prostatite (como por exemplo prostatite fungíca ou prostatite gonorreica) é o contacto sexual com alguém que tenha uma infecção vaginal - mais uma razão para utilizar preservativos. Por outro lado, não se conhece a causa da prostatite não infecciosa.



Além da prostatite, outro problema comum da próstata é a hipertrofia, também conhecida como Hiperplasia Prostática Benigna (HBP). Segundo as estatísticas, a HBP aparece em mais de 50% dos homens com mais de 50 anos, em mais de 75% dos homens com mais de 80 e em 90% dos homens com mais de 90 anos. Na maior parte destes casos, os sintomas não são sérios e pode ser tratada com êxito sem medicamentos - por vezes até sem ver um médico. Há então alguma razão para se fazerem mais de 300.000 operações a casos de HBP por ano?



Há alguma razão para que centenas de milhares de homens que já estão a sofrer os problemas da meia-idade tenham que ser sobrecarregados com impotência, infertilidade e incontinência?



A resposta é simples: Não!



Causas possíveis e factores de risco



Ninguém sabe exactamente porquê ou como se desenvolve a HBP, apesar de que sabemos que as mudanças hormonais são um factor contribuinte. Uma teoria aponta o dedo para o estrogénio, a hormona feminina que é produzida em pequenas quantidades juntamente com a testosterona pelos testículos. À medida que se envelhece, o nível de testosterona diminui - possivelmente causando o aumento do nível de estrogénio e HBP. Por outro lado, há quem acredite que a HBP é causada

pela acumulação de demasiada testosterona. Uma vez que entra na próstata, a testosterona é convertida em dihidrotestosterona (DHT) pela redutase-5-alfa. Tem-se verificado que este potente composto pode causar uma excessiva multiplicação das células, o que pode eventualmente dar origem a uma próstata hipertrofiada.



No início, a HBP pode não causar qualquer tipo de problemas. Muitos homens vivem com a condição até aos cinquenta, sessenta e tal anos com muito poucos sintomas - desde que o crescimento da próstata tenha tendência a ser para fora, ou principalmente para fora, na direcção oposta à da uretra prostática. O problema aparece quando o crescimento se espalha para dentro. Quando isto acontece, a próstata faz pressão contra o canal da uretra, o que interfere com a micção. Os problemas assim causados podem ser desde aborrecidos até sérios. Incluem uma necessidade mais frequente de urinar (especialmente à noite), um fluxo de urina mais fraco, micção hesitante, micção gota a gota, sensação de ardor ou desconforto durante a micção, incapacidade de urinar, traços de sangue na urina, ou sangue no sémen.



Os cientistas ainda não foram sequer capazes de indicar quais os grupos de risco para a HBP, apesar de que há indicações de alguns factores de risco associados com esta condição. Se tem mais de 50 anos e toma medicamentos para a hipertensão, anti-histamínicos ou medicamentos para gripes, há indicações de maior risco. Além disso, urina alcalina, tuberculose e uma história de infecções da bexiga e dos rins também têm sido ligados a um maior risco de HBP.



Quando o crescimento da próstata faz pressão contra as paredes da uretra de modo a seriamente diminuir o fluxo urinário, o problema torna-se sério. Esta condição chama-se uropatia obstrutiva (HBP). A esta altura, a bexiga não é capaz de se esvaziar completamente. A urina que fica na bexiga pode por isso dar origem a infecções o que causa um maior esforço para o sistema imunitário e agrava o problema existente. A contínua obstrução urinária pode eventualmente dar origem a insuficiência renal, infecções na bexiga ou pedras nos rins.



Como saber se tem HBP?



O sintoma mais óbvio de HBP são problemas com o fluxo urinário. Se tiver alguma das complicações com a micção que mencionámos acima, pode ter prostatite ou HBP. Se for a um urologista com qualquer destes sintomas, provavelmente vão-lhe fazer um dos exames que se seguem:



a) Exame rectal digital (ERD). É uma prova de rotina para diagnosticar o cancro da próstata. No entanto, também é utilizado para determinar se há problemas no recto. Uma vez que o recto está colocado imediatamente atrás da próstata, os médicos podem facilmente explorar a glândula introduzindo um dedo no recto e apalpando para detectar anomalias.



b) Ultra-sons. Um ultra-som transrectal da próstata (TRUS-P) é utilizado para obter uma imagem completa da glândula prostática. As imagens são projectadas no ecrã dum computador à medida que as ondas sonoras atravessam a próstata. O resultado é evidência visual de hipertrofia ou tumor.



A cirurgia quase nunca é a solução



A HBP pode ser dolorosa, mas sabe-se que mesmo os sintomas em homens com HBP obstrutiva variam no tempo, melhorando espontaneamente. Muitas vezes a condição pode ser gerida com sucesso só com supervisão médica - sem medicamentos ou cirurgia invasiva. O programa de tratamentos pode ser adaptado para as necessidades individuais de cada um. Não tenha medo de fazer perguntas ao seu médico - e não deixe que o convençam a fazer operações desnecessárias.



Em alguns casos, é necessário operar pacientes com HBP. Há uma indicação certa para a cirurgia - obstrução completa ou quase completa do fluxo urinário. Se a retenção urinária não for tratada imediatamente, pode dar origem a grandes complicações médicas. Como disse acima, a obstrução urinária contínua pode dar origem a infecções da bexiga, dos rins e danificar os rins permanentemente. Por isso quando se deixa de urinar ou a micção causa grande dor, cirurgia para remover a obstrução é a principal forma de terapia.



Não fique desencorajado se isto se aplica a si, ou se já foi operado. O programa em Oito Etapas pode ajudá-lo a manter a saúde da sua próstata e evitar que necessite de uma nova operação. Também é óptimo para aliviar os efeitos secundários duma operação que já tenha sido feita.



Hoje em dia, a ressecção transuretral da próstata (TUR/R) é grande parte das mais de 400.000  operações feitas por ano. Esta operação cirúrgica elimina partes da próstata através duma incisão feita na parte de dentro da uretra.



Cerca de 20 por cento dos pacientes que se sujeitam a esta operação terão que ser forçados a submeter-se à mesma uma segunda vez e 10 por cento ficam impotentes, segundo estudos elaborados nos Estados Unidos.