segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

4 - TRAMENTOS CONVENCIONAIS (os que normalmente são dados pelos nossos médicos) PARA O CANCER

É importante que conheça os factos sobre todos os tipos de tratamento do cancro da próstata que existem - convencionais e os alternativos ou complementares - para que possa tomar uma decisão informada e inteligente. A seguir vem uma lista extensa de opções para o tratamento para readquirir e manter uma próstata saudável. Antes de tomar grandes decisões, assegure-se de que tomou em consideração todos os métodos. Leve o seu tempo a discuti-los com o seu médico e faça ainda mais investigação sobre os métodos que pensa possam ser os apropriados para si. Não se deixe apressar e pressionar a escolher um método drástico e convencional antes de tomar em consideração outras opções alternativas. Enquanto em alguns casos uma operação pode ser necessária, na maioria dos casos não é.




O tratamento convencional do cancro baseia-se na suposição de que o cancro começa com um tumor localizado que eventualmente se espalha pelo corpo. Com base nesta suposição, o tratamento convencial tem-se concentrado em eliminar o tumor cortando-o e removendo-o, queimando-o, congelando-o e, se tudo o resto falha, inundando-o de drogas perigosas que matam as células cancerosas.









Alternativas para o Tratamento do Cancro da Próstata



Hoje em dia, o verdadeiro assassino no tratamento normal do cancro em todas as formas, é muitas vezes a terapia. Radio e quimioterapia, que resultam em perda de cabelo, vómitos e destruição precoce irreversível do sistema imunitário e podem causar uma morte debilitante, são instigados por pessoas com um ar completamente infalível, a pacientes em pânico com a ideia do cancro. As doses geralmente são calculadas muito perto de, irreversivelmente, destruírem o sistema imunitário. Na maior parte das vezes conseguem impedir o sistema imunitário de voltar a ser como antes, deixando o paciente com muito poucas defesas. Quando isto acontece, a doença, quando se espalha, espalha-se como um incêndio num bosque.



Felizmente, muito poucos médicos se sentem tentados a utilizar a quimioterapia para o cancro da próstata simplesmente porque o cancro da próstata não responde a esta forma de barbarismo imuno-repressivo. A radioterapia, no entanto, é apresentada como uma das duas grandes opções para os pacientes que sofrem de cancro da próstata. A outra é cirurgia, uma prostatectomia radical. Além de afectar o sistema imunitário, irradiações à próstata podem danificar o tecido normal e saudável adjacente, muitas vezes causando colite radioactiva ou proctite, que podem ser permanentes.

A remoção cirúrgica total da glândula prostática também pode ter como efeitos permanentes a impotência ou incontinência. Segundo um recente estudo Harris, 75 por cento dos homens que se submeteram à operação "sofreram depois de impotência". As estatísticas oficiais admitem que 40 a 50 por cento sofrem de impotência e 10 a 20 por cento sofrem de incontinência. Na melhor das hipóteses, é cirurgia drástica com um tempo de convalescença longo e doloroso.



Mas o pior aspecto destes dois métodos localizados, as únicas opções oferecidas por 99 por cento dos urologistas, é que muitas vezes falham. Um estudo feito em 1994 dos resultados obtidos no Centro Médico da UCLA, conhecido pelo seu departamento de urologia de alta qualidade, demonstrou uma taxa de recorrência (medida pelos níveis de PSA em aumento) em 31 dos pacientes depois de cinco anos e em 52 por cento depois de 10 anos.



Uma vez que a taxa de recorrência depois de radioterapia é da mesma magnitude, foi feito um estudo num grupo de homens, principalmente com mais de 70 anos (os resultados do qual foram publicados no Journal of the American Medical Association). Demonstrou que as pessoas que não se submeteram a nenhuma destas terapias ficaram igualmente bem. Daí se criou a ideia de que os homens com cancro na próstata tinham uma terceira opção: uma espera vigiada - sem fazer nada.



Se as únicas opções fossem realmente quimioterapia, radiações e cirurgia, talvez começasse a pensar que uma espera vigiada era melhor do que essas terapias miseráveis da medicina ortodoxa. Mas porque estão disponíveis tantos tratamentos alternativos eficazes, seguros e que não são arriscados, pode-se dizer que uma espera vigiada é o cúmulo da loucura.




O tratamento do cancro alternativo ou complementar baseia-se na premissa de que o sistema imunitário tem a capacidade de destruir as células cancerosas e evitar que se espalhem. Mas quando o sistema imunitário falha porque está enfraquecido devido aos radicais livres e produtores de tensão com que o corpo é bombardeado todos os dias, já não consegue lutar contra as células cancerosas o que lhes permite progredir até formarem um tumor. Os tratamentos alternativo ou complementares concentram-se em rejuvenescer o sistema imunitário, dando ao corpo o reforço de que precisa para se curar.





A base do programa contra o cancro .


O método baseia-se em vários princípios que permitem a pessoas mesmo com cancro numa fase avançada, viver vidas completas e felizes. O pano de fundo do programa é definido pelos preceitos e apoio à nutrição que se seguem:



Uma menor ênfase na importância do tumor em si. Não sabemos o que causa o cancro, mas sabemos que a doença não se limita ao tumor em si. De facto, a doença é um desequilíbrio interno qualquer que leva ao crescimento descontrolado de células anormais. Por isso, diminuir ou destruir a excrescência maligna não elimina a doença. Na verdade, não terá a menor esperança de curar a doença se não restaurar a capacidade do corpo de controlar o crescimento de células anormais.



Se o tumor diminuir porque o sistema de defesa do corpo o fizer diminuir, óptimo - mas a destruição do tumor a qualquer preço é inútil. Matar tecidos vitais ou enfraquecer as defesas do corpo para diminuir um tumor não serve absolutamente de nada.



A importância cada vez maior dos antioxidantes. O dano causado nas células por oxidação devido às moléculas radicais livres pode dar origem a cancro. Para se protegerem contra tal dano, pacientes com cancro da próstata deveriam receber o conjunto completo de antioxidantes - os mesmos antioxidantes para pacientes com HBP, muitas vezes em doses bastante mais elevadas.



O poder do sistema imunitário (ou imunológico). O tratamento convencional do cancro é provavelmente o único exemplo na gloriosa história da medicina no qual 100 por cento do tratamento é dedicado a destruir a doença e nenhum esforço é feito para fortalecer a pessoa que tem a doença. Por isso, todos os tratamentos mutilam ou destróiem o sistema imunitário. Mas reforçar o sistema imunitário é essencial para restaurar a capacidade do corpo de domar as células anormais. O que se transforma no centro do processo de auto-protecção que evita que as mudanças pré-malignas se transformem em tumores.



Tomar extractos pancreáticos praticamente todo o tempo também é crucial. As células cancerosas parecem rodear-se de um escudo protector que as torna invulneráveis à destruição por parte do sistema imunitário. Mas aparentemente as enzimas pancreáticas desactivam essa barreira.



Dieta. Muitas dietas parecem combater o cancro, e muitas - macrobiótica, dietas à base de trigo, a dieta Gerson, etc. - têm tido bastante sucesso em casos individuais. Em geral, dietas sem açúcar e principalmente que incluem vegetais crus, frescos e produzidos organicamente. O nosso raciocínio tem base no trabalho de Otto Warburg, Director do Instituto de Fisiologia Celular Max Planck na Alemanha, vencedor do Prémio Nobel duas vezes, que demonstrou que os tumores cancerosos necessitam de glicose e que os vegetais estão cheios de enzimas e fitonutrientes que têm notáveis propriedades anti-cancerosas. Também realçamos a importância da carne, peixe e aves sem aditivos ou hormonas para fornecer as proteínas necessárias para reforçar o sistema imunitário.



O poder do pensamento positivo. As doenças pioram ou melhoram dependendo do seu estado de espírito. Sabemos que é um facto. Ficar-se horrorosamente mal disposto devido á radio ou quimioterapia e sentado numa sala de espera aonde há outras pessoas ainda mais doentes não faz muito bem á psique.



















Terapias Adicionais para Combater Tumores





Os marcadores de tumores são cruciais para o método. Em geral, se e quando aumentam indicando o crescimento e propagação de cancro, junto outro tratamento alternativo eficaz ao arsenal de defesa contra o cancro do paciente, aumentando a dose ou frequência dos tratamentos eficazes que já lhe estou a administrar. No caso do cancro da próstata, o PSA é um marcador de tumores de confiança; e as terapias adicionais geralmente fazem-no voltar ao normal..



Segue-se uma lista parcial das terapias naturais contra o cancro ou que ajudam a estabelecer a resistência, que os meus pacientes têm recebido a caminho de remissões prolongadas de cancros definidos como incuráveis pela medicina tradicional.



Enzimas pancreáticas

Grandes quantidades de enzimas pancreáticas são uma parte integral de alguns dos tratamentos alternativos para o cancro com maior sucesso, incluindo os ideados pelos Drs. Nicholas Gonzalez e William Donald Kelly, pela maior parte dos programas alemães e austríacos e pelos americanos que administram a "terapia metabólica".



Quando uma quantidade suficiente de enzimas é administrada via oral, é bastante comum verificar-se uma "crise de cura" devido à rápida desagregação do tecido canceroso. É mais provável que o colapso do tumor seja causado por enzimas pancreáticas, do que pela maior parte das formas de quimioterapia. Por esta razão se têm que utilizar técnicas de limpeza internas juntamente com altas doses de enzimas.



Terapias abastecedoras de oxigénio

Apesar de que as terapias à base de oxigénio ainda não foram aprovadas pela FDA neste país, mais de 10 milhões de pessoas em todo o mundo têm beneficiado delas. Centenas de estudos têm vindo a demonstrar que estas terapias que realçam o sistema imunitário são eficazes em mais de 50 doenças - e 100 por cento seguras desde que sejam administradas por um profissional qualificado.





A aplicação de oxigénio ao cancro é outra terapia que se baseia no trabalho do vencedor do Prémio Nobel, Otto Warburg. Em culturas de tecidos, o Dr. Warburg demonstrou que células normais se tornam cancerosas quando privadas de oxigénio - e que o oxigénio pode matar as células cancerosas. A teoria dele é que uma deficiência de oxigénio pode ser a causa principal de todos os cancros (o que não seria surpreendente num mundo rapidamente a ficar sem oxigénio devido à poluição e desflorestação). E sugeriu terapia com oxigénio como uma forma de tratamento.



Há Muitas, Muitas Outras Opções



Há muitíssimos outros tratamentos alternativos: germânio (um elemento com capacidade de destruir tumores e que realça o funcionamento do sistema imunitário), azevinho (utilizado por milhares de médicos europeus desde os anos vinte e apoiados por dúzias de estudos publicados), sulfato de hidrazina (o melhor agente jamais inventado para inverter o enfraquecimento - chamado "caquexia" - nos pacientes com cancro), amigdalina/laetrile (ouviu falar na controvérsia - eu vi como funciona), garra de gato, fracção D do maitake, as ervas Hoxsey, e dúzias de outras.



A opção da hipertermia

Voltamos ao assunto ainda controverso de se o cancro da próstata deve ser tratado localmente quando é detectado precocemente e está provavelmente confinado só à próstata. A maneira de pensar convencional é que a remoção do cancro é curativa, como sucede geralmente com o cancro do peito. Mas o cancro da próstata é muito diferente. As vantagens duma excisão/radiação local para a sobrevivência do paciente são insignificantes. Parece que se obtêm resultados melhores com terapia hormonal intermitente como principal contribuição ortodoxa.



Mas há uma terapia local que pode ser responsável por grande parte da nossa taxa de sucesso com os pacientes. É a hipertermia (tratamento a calor), o mesmo tratamento que funciona tão bem com as doenças benignas da próstata.



Inicia-se quase sempre a terapia hormonal juntamente com tratamentos de hipertermia. A eficácia da hipertermia na destruição do cancro é conhecida há alguns anos. Baseia-se nas características biológicas das células cancerosas (e também dos tumores benignos de crescimento rápido) que as tornam muito mais susceptíveis a danos causados por calor do que as células normais. Aumentando o fluxo sanguíneo na próstata, a hipertermia focaliza o tratamento e realça a eficácia de outros tratamentos.



Uma vez que a hipertermia também aumenta a permeabilidade das membranas das células cancerosas, os agentes terapêuticos penetram melhor nas células para exercer o seu efeito terapêutico.



O Dr. Mendecki oferece várias explicações para este fenómeno. O calor promove a libertação de enzimas que ajudam a digerir as células cancerosas; inibe o ADN e debilita a replicação das células cancerosas; e os tumores são mais facilmente danificados pelo calor do que o tecido normal. Além do mais, vários estudos demonstraram que a hipertermia em conjunção com radiações pode conseguir a destruição do cancro causando muito menos danos ao sistema imunitário e à medula óssea do que a radioterapia utilizada em isolamento. Por isso, a tremenda destruição de tecidos causada pela radioterapia diminui consideravelmente.



Outra terapia local que os médicos podem utilizar para realçar o efeito curativo das terapias naturais não tóxicas chama-se "neutralização de cargas aceleradas" (ACN) a qual inverte a carga eléctrica (em geral negativa) à volta do tumor, utilizando uma pulsação eléctrica leve com uma carga oposta à do tumor. Segundo o seu inventor, Dr. Robert Bradford, a diminuição de tamanho provocada nos tumores foi muito satisfatória no caso do cancro da próstata.



Uma vez que todos estes tratamentos são leves, excepcionalmente seguros e bem tolerados, pensamos que não vale a pena confiar numa só terapia. Todas as nossas terapias são "peças dum puzzle" e todas fazem com que a "espera vigiada" pareça um verdadeiro crime.



O cancro pode ser dominado. O mais importante é que compreenda que tem muitas opções de tratamentos alternativos seguros. As terapias convencionais podem ter e têm efeitos prejudiciais. Se as tentar primeiro - arrisca a vida. As terapias alternativas, por outro lado, não lhe fazem mal. Não enfraquecem o seu sistema imunitário. E deixam intacta a sua anatomia masculina. Com tudo o que precisa a lutar por si pode bater o cancro, pelo menos, até o manter sob controlo e é se não conseguir uma vitória total.





A receita do médico convencional

(os médicos que normalmente conhecemos)



Não há muitas opções para o tratamento do cancro da próstata com a medicina convencial. As escolhas dependem de quanto a doença progrediu; e mesmo assim, os tratamentos são muito semelhantes e envolvem grandes riscos e consequências.



Para o cancro da próstata no estado A, tudo o que se faz em geral é causar um bloqueio hormonal completo para tentar obter uma remissão total. O que se consegue com uma combinação de terapia hormonal (CHT) - castração conjuntamente com a administração de hormonas.



Em seguida apresentam-se algumas opções para tratar pacientes com cancro da próstata no estado B:



=> A prostatectomia radical é uma grande operação cirúrgica durante a qual toda a próstata e tecido que a rodeia são retirados. Há várias consequências que resultam desta operação, no entanto não é uma cura segura, porque a verdadeira causa do cancro não é abordada. Os médicos têm que ter a certeza absoluta de que a doença está limitada à próstata; se não estiver, continuará a espalhar-se mesmo depois da operação.



=> A radioterapia é muitas vezes utilizada depois do cancro residual ser encontrado nas margens do tecido que foi retirado durante uma prostatectomia radical. Durante a radiação, um raio externo é utilizado para destruir tecido normal, sem nenhuma garantia de que destruirá as células malignas. A radioterapia também tem várias consequências sérias e de efeitos prolongados.



=> A braquiterapia é uma forma de terapia de radiação interna. Durante este método, sementes radioactivas são colocadas na próstata para destruir o tecido maligno. É essencial colocar bem as sementes para assegurar que a operação é eficaz. E, mais uma vez, as consequências da radiação têm que ser tomadas em consideração.



=> A ablação por criocirúrgia é uma terapia experimental que tem como resultado a destruição da próstata e áreas em redor por congelação. A operação consiste na introdução de três a cinco sondas dentro da glândula. Nitrogénio líquido em circulação a temperaturas negativas dentro das sondas congela o(s) tumor(es) maligno(s) e tecido à volta.



=> Hipertermia induzida por microondas é exactamente o oposto da ablação criocirúrgica. Esta operação consiste em expor as células malignas a temperaturas acima de 100ºF. Ainda está numa fase experimental e a ser investigada pela comunidade médica.



=> Hipertermia causada por laser, outra operação sob investigação, consiste no uso de fibras de laser que se dobram a 180ºF para criar áreas de hipertermia.



=> Fulguração a laser da próstata é outro tratamento em estudo. Um fibra laser em ângulo recto foi recentemente produzida que permite uma penetração mais profunda do raio laser na glândula prostática.



Para o cancro da próstata no estado C, o bloqueio hormonal completo é em geral eficaz para reduzir o tamanho do tumor para que possa ser tratado como uma doença no estado B. Se não funcionar, os médicos recorrem a tratamentos ainda mais perigosos como a ablação criocirúrgica.



Apesar de que o cancro no estado D não pode ser curado, os médicos continuam a tentar eliminar a doença com terapia hormonal prolongada ou indefinida ou com quimioterapia. Nenhum destes tratamentos dá alguma garantia, e todos têm efeitos secundários muito sérios. O tratamento convencional para o cancro da próstata no estado D1 consiste na terapia hormonal combinada ilimitada para um bloqueio hormonal completo.